Make your own free website on Tripod.com
Extensão & Pesquisa
Considerando Gedanken e Cogito: a ciência moderna

Home

A Questão da Psicose
AS PSICOSES Livro 3
Fórmulas Freudianas
Fórmulas Freudianas I
Considerando Gedanken e Cogito: a ciência moderna
CID-10: Transtornos da Personalidade
HISTERIA E CID-10
ESQUISOFRENIA CID-10
Extensão como Flexibilização Curricular
Links
Equipe

III - SOBRE O MECANISMO DA PARANÓIA

Anotação [Abstract] sobre o complexo paterno

 

Freud havia estabelecido que:

  "Estivemos até aqui lidando com o complexo paterno, elemento dominante no caso de Schreber, e com a fantasia de desejos em torno da qual a doença se centralizou. Mas, em tudo isso, nada existe de característico da enfermidade conhecida como paranóia, nada que não possa ser encontrado (e que não tenha sido, em verdade, encontrado) em outros tipos de neuroses. O caráter distintivo da paranóia (ou da dementia paranoides) deve ser procurar alhures, a saber, na forma específica assumida pelos sintomas; e esperamos descobrir que esta é determinada, não pela natureza dos próprios complexos, mas pelo mecanismo mediante o qual os sintomas são formados ou a repressão é ocasionada. Tenderíamos a dizer que caracteristicamente paranóico na doença foi o fato de o paciente, para repelir uma fantasia de desejo homossexual, ter reagido precisamente com delírios de perseguição desta espécie."

 

"Ora, o pai do Senatspräsident Dr. Schreber não era pessoa insignificante. Era o Dr. Daniel Gottlob Moritz Schreber,(...)"  [Freud, S.  II Tentativas de Interpretação.]

 

O editor Inglês registrou esse erro tipográfico: o nome do pai de Schreber não era era Daniel Gottllieb Moritz Schreber.

 

Pode-se dizer em alemão Gottlob! , Graças a Deus! Forço a hipótese de que  Gottllieb possa ser o termo latino Amadeus. Nada encontrei, até o momento, que me autorizasse isso mas, Gott e Lieb dicionarizado é Deus  e Amado.

 

Tanto Notas Psicanalíticas sobre um Relato Autobiográfico de um Caso de Paranóia (1911) como Totem e Tabu (1912) me parecem se inscrever na liquidação dos laços com Jung.

No passado poderia parecer que Freud teria tido dificuldades semelhantes com Fliess.

 

 Aqui me limito em seguir o rastro lacaniano, quer dizer,  ao mencionar "William Robertson Smith, falecido em 1894 físico, filólogo, crítico da Bíblia e arqueólogo era um homem de muitos interesses, de visão clara e espírito liberal. Em seu livro sobre a Religion of Semites(...)" [V - O RETORNO DO TOTEMISMO NA INFÂNCIA, seção 4 de Totem e Tabu] Freud menciona sua própria condição étnica.

 

Em Totem e Tabu Freud propõe nada menos do que a demonstração da origem do deus. Pode-se pensar que Freud descende de uma linhagem eleita. Torah e Talmud certificariam essa linhagem.

 

 Permanecendo em sua splendid isolation Freud não tem acolhida na cidadela das ciências. Se o discurso da ciência é refratário à sua invenção, em contrapartida ele pode afirmar em 1900 que "(...) der Kern  unseres Wesens, aus unbewussten Wunschregungen bestehend(...)" antecipando-se às objeções que ele próprio previa em relação à Ciência.

 A proposição de que o núcleo do Ser está impregnado de desejos inconscientes não é senão um pensamento - uma idéia. Os pensamentos [Gedanken] que abundam na Interpretação dos Sonhos.

Freud tornara o pensamento solidário com a experiência de satisfação.

 

                

 

 

descartes1.jpg
René Descartes

Considerando Gedanken e Cogito: a ciência moderna.

 

    A argumentação more geometrico fora dada nestes termos:

 

Je n'admets maintenant rien qui ne soit nécessairement vrai: je ne suis donc, précisément parlant, qu'une chose que pense, cest-à-dire un esprit, un entendement ou une raison, qui sont des termes dont la signification m'était auparavant inconnue.

[Descartes, p.41, Deuxiéme Méditation, Ed. Florence  Khodos. PUF. 1970.]

 

 Merleau-Ponty  considera: 1. O Cogito equivale a dizer que quando apreendo a mim mesmo me limito a observar um fato psíquico. Esta significação predominantemente psicológica é a que aparece no próprio Descartes ao dizer que está certo de existir todo o tempo que pensa nisso. 2. O cogito pode referir-se tanto à apreensão do fato de que penso como os objetos abarcados por este pensamento.

[Bulletin de la Societé Française de Philosophie, p.129-130, 1947]

 

  Demonstração da existência de Deus segundo o costume dos geômetras

 

Extraído da Dissertação Ensaio sobre os fundamentos da psicanálise e a ciência moderna   J.C.P Pereira 1989 [não publicado]

 

Ora, validade objetiva dos conhecimentos, estabelecimento da verdade, será imediatamente correlativos da demonstração da existência de Deus. A verdade será reportada ao grande Outro divino, aqui, Deus cartesiano que quer a verdade.

 

A tese metafísica da "livre criação das verdades eternas", se comporta o problema do fundamento da verdade parece ser, talvez, menos metafísica do que se supõe visto que a infinita perfeição de Deus virá assegurar a veracidade das idéias claras e distintas,  todavia, solução que torna problemática a questão do infinito.

 

   Doravante o Cogito, ponto de origem onde se prende a cadeia da ciência, irá comandar a marcha da ciência, instituindo-se como "condição suprema de possibilidade das matemáticas", entenda-se como condição do que se constitui como a ciência moderna, nisso que as operações do "je pense" comportam a intuição de Deus, analogamente no sentido em que o número dois é par, três é ímpar sem que se exija disso a prova; vale dizer, a matemática é uma experiência puramente simbólica e onde certas proposições são tomadas como verdadeiras e conhecidas sem prova e de uma evidência totalmente inteligível.

 

   Provar Deus e que ele não engana é o que se propõe o sujeito, de tal sorte que não reste a mínima dúvida; mas, sobretudo, "enquanto o Cogito constitui o único ponto de apoio para a ciência, a ciência é...impossível. Pois desde que meu espírito deixa de se  fixar no Cogito para se dirigir alhures, este ponto de apoio se abisma na noite da dúvida universal arrastando consigo toda a cadeia de razões".

 

    O Cogito em sua clausura sofreria , desse modo, a atração devida à noite da dúvida onde ele ainda claudica. Posto Deus o sujeito encontra-se, então, predisposto para iniciar a marcha da ciência. Não sem antes que a hipótese de um Deus que possa enganar seja excluída, pois caso contrário permaneceria a oscilação do cogito em direção ao abismo da dúvida.

 

   O negócio de Deus é a verdade, o negócio de Descartes é a certeza e o negócio de Freud é onde situar o Recalcamento na Paranóia. Nas três situações vigora as flutuações do significante Gott.

Enter supporting content here